Crítica à interpretação eclesiocêntrica da história de Canudos

  • Eduardo Hoornaert

Resumo

O artigo critica uma recente e recorrente interpretação da história de Canudos, segundo a qual a experiência sertaneja teria sido um prenúncio da "igreja dos pobres”, ou ainda das “comunidades de base”. Tal interpretação é ideológica, não se baseia na experiência vivida pelos sertanejos do final do século XIX, é permeada de um eclesiocentrismo exacerbado e não faz justiça à boa maneira de se praticar a história, pois é de um anacronismo flagrante. Efetivamente, imaginar-se a Igreja (seja ela católica ou protestante, ortodoxa ou nestoriana) como única expressão histórica do cristianismo ou pelo menos como expressão mais verídica e mais fiel aos intentos de Jesus revela um eclesiocentrismo desmentido por séculos de história, mas endêmico nos dias que correm, como se tudo fosse “eclesial”.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1998-03-31
Como Citar
Hoornaert, E. (1998). Crítica à interpretação eclesiocêntrica da história de Canudos. Revista Eclesiástica Brasileira, 58(229), 164-175. https://doi.org/10.29386/reb.v58i229.2404