Estudos da religião, discrepâncias metodológicas e contribuições weberianas. Impasses e tendências na modernidade globalizada

  • Emerson José Sena da Silveira Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).
  • Nina Rosas UFMG
Palavras-chave: Religião, Metodologia, Max Weber.

Resumo

Este artigo aborda algumas questões fundamentais da relação pesquisador/pesquisado, a fim de auxiliar jovens pesquisadores que se debruçam sobre os estudos das religiões. Primeiro, chamamos atenção para as não consensuais concepções empregadas pelos estudiosos e também para a diferença entre os modos de vivência da fé e as classificações acadêmicas. O segundo ponto abordado diz respeito à tarefa elementar do cientista social da religião, a saber, a de sintetizar a complexidade do trânsito dos fiéis, que circulam em múltiplas alternativas religiosas. Como um terceiro ponto, ressaltamos a interferência da visão pessoal do pesquisador para a construção do saber. O presente trabalho retoma algumas proposições metodológicas já cunhadas pela literatura e evoca parte da trajetória de pesquisa de um dos pais fundadores da sociologia – Max Weber –, a fim de levantar algumas notas metodológicas sobre sua experiência de viagem aos Estados Unidos e sobre a elaboração de As seitas protestantes e o espírito do capitalismo.

Abstract: In order to help some researchers who are beginning on sociological and anthropological approach, this article discusses some typical issues about the relationship between the researchers and “the researched”. First of all, we call attention to the non-consensual conceptions employed by the researchers, and to the differences between the ways which believers live their faith and the classifications which have been made by scholars. The second debate we pointed out is elementary and it is common to all religious researches. We emphasize the task of connect all the complexity of multiple sets of affiliations. As a third point we state about the interference of the researcher’s personal vision to the construction of knowledge. This paper revisits some methodological proposals that have been suggested by the specialized literature, and evokes part of the trajectory of one of founding fathers of sociology – Max Weber –, in order to develop some notes on his methodological experience of traveling to United States and writing The Protestant Sects and the Spirit of Capitalism.

Keywords: Religion. Methodology. Max Weber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson José Sena da Silveira, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).
O Autor é antropólogo, doutor em Ciência da Religião e docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Entre suas principais publicações estão os livros “Corpo, emoção e rito: antropologia dos carismáticos católicos” e “Catolicismo, mídia e consumo: experiências e reflexões” (no prelo). Atualmente pesquisa: os diversos catolicismos, tradições e estilos de vida contemporâneos (católico-carismático e suas relações com mídia, festa, consumo, juventude); Minorias religiosas, espaço público e campo religioso; religiosidades, rituais e terapias alternativas.
Nina Rosas, UFMG

A Autora é socióloga e doutoranda pela UFMG e faz estágio-sanduíche nos Estados Unidos, na University of Southern California, como bolsista Capes. Durante o mestrado estudou as obras sociais da Igreja Universal e teve sua dissertação premiada para publicação. Atualmente pesquisa o protestantismo renovado/carismático a partir das articulações entre música, gênero e religião.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo/MONTERO, Paula, Trânsito religioso no Brasil, em: Perspectiva 15/3 (2001) 92-101.

ARATO, Andrew; Breines, Paul. El joven Lukács y los orígenes de lo marxismo occidental. México D. F.: Fondo de Cultura Económica, 1986.

BOAS, Franz, 2004. As limitações do método comparativo da antropologia, em: ID., Antropologia cultural, Jorge Zahar, Rio de Janeiro 2004, 25-39.

BOURDIEU, Pierre, “Sociólogos da crença e crenças de sociólogos”, em: ID., Coisas ditas, Brasiliense, São Paulo 2004, 108-114.

CAMURÇA, Marcelo Ayres, Da “boa” e da “má” vontade para com a

religião nos cientistas sociais da religião brasileiros, em: Religião e Sociedade 21/1 (2000) 67-86.

CASANOVA, José, Public religions in the modern world, The University of Chicago Press, Chicago 1994, cap. 1.

CLIFFORD, James, 1998. Sobre a autoridade etnográfica, em: ID., A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX, UFRJ, Rio de Janeiro 1998, 17-62.

FEYERABEND, Paul, 1989. Contra o Método, 3ª ed., Francisco Alves, Rio de Janeiro 1989.

FREITAS, Renan Springer de, 2010. Weber e o Advento do Novo, em: Dados – Revista de Ciências Sociais 53/2 (2010) 337-365.

GIDDENS, Anthony, As consequências da modernidade, Unesp, São Paulo 1991.

_______, Modernidade e identidade, Jorge Zahar, Rio de Janeiro 2002.

GIUMBELLI, Emerson, A mudança do religioso no espaço público: modalidades no Brasil, em: Religião e Sociedade 28/2 (2008) 80-101.

_______, A vontade do saber: terminologias e classificações sobre o protestantismo brasileiro, em: Religião e Sociedade 21/1 (2002) 87-119.

_______, 2004. Religião, Estado, modernidade: notas a propósito de fatos provisórios, em: Estudos Avançados 18/52 (2004) 47-62. HERVIEU-LÉGER, Danièle, O peregrino e o convertido: a religião em movimento, Vozes, Petrópolis 2008.

HÖLLINGER, Franz, O futuro das religiões cristãs na Europa e nos Estados Unidos. Trabalho apresentado no seminário temático (ST 07), Secularização e pluralismo, na VIII Jornada sobre Alternativas Religiosas na América Latina, São Paulo 1998, 1-11.

JÚNIOR, Paulo Gracino, Dos interesses weberianos dos sociólogos da religião: um olhar perspectivo sobre as interpretações do pentecostalismo no Brasil, em: Horizonte 6/12 (2008) 69-92.

KARÁDI, Éva. Ernst Bloch and Georg Lukács in MaxWeber’s Heidelberg. In: Mommsen, W., Osterhammel, J. (eds.). Max Weber and his contemporaries. London: UnwinHyman, 1987 p. 499-514.

LATOUR, Bruno, Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica, Editora 34, Rio de Janeiro 1994.

MALINOWSKI, Bronislaw, Argonautas do Pacífico Ocidental, Abril Cultural, São Paulo 1998.

MARIZ, Cecília, Secularização e dessecularização: comentários a um texto de Peter Berger, em: Religião e Sociedade 21/1 (2000) 25-39.

MATA, Sérgio da, A crítica da teologia como alternativa ao “embuste romântico”: notas introdutórias sobre a religião de Max Weber, em: Plura – Revista de Estudos de Religião 2/1 (2011) 25-48.

MARIANO, Ricardo, Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil, 2ª ed., Loyola, São Paulo 2005.

MONTERO, Paula, Questões para a etnografia numa sociedade mundial, em: Novos Estudos Cebrap 36 (1993) 161-177.

ORO, Ari Pedro, Considerações sobre a liberdade religiosa no Brasil, em: Ciências & Letras, 37 (2005) 433-448.

ORTIZ, Renato, Anotações sobre religião e globalização, em: Revista Brasileira de Ciências Sociais 16/47 (2001) 59-74.

PACE, Enzo, Narrar a Deus: a religião como meio de comunicação, em: Revista Brasileira de Ciências Sociais 24/70 (2009) 9-15.

PEREZ, Léa Freitas, Algumas notas sobre religião e cultura de consumo, em: Horizonte, Belo Horizonte 8/17 (2010) 146-155.

PIERUCCI, Antônio Flávio, De olho na modernidade religiosa, em: Tempo Social – revista de sociologia da USP 20/2 (2008) 9-16.

_______, Secularização e declínio do catolicismo, em: SOUZA, Beatriz Muniz de/MARTINO, Luís Mauro Sá (orgs.), Sociologia da Religião e Mudança Social: católicos, protestantes e novos movimentos religiosos, Paulus, São Paulo 2004, 13-21.

_______, Secularização em Max Weber: da contemporânea serventia de voltarmos a acessar aquele velho sentido, em: Revista Brasileira de Ciências Sociais, 13/37 (1998) 43-75.

RIVERA, Paulo Barrera, Desencantamento do mundo e declínio dos compromissos religiosos: a transformação religiosa antes da pós-modernidade, em: Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião 4/4 (2002) 87-104.

RINGER, Fritz, A metodologia de Max Weber: unificação das ciências culturais e sociais, Edusp, São Paulo 2004.

SÁ, Guilherme José da Silva e, Meus macacos são vocês: um antropólogo seguindo primatólogos em campo, em: Revista Anthropológicas 16/2 (2005) 41-66.

SAINT-PIERRE, Héctor L., Max Weber: entre a paixão e a razão, Editora da Unicamp, Campinas 1991.

SEGATO, Rita, Formações de diversidade: nação e opções religiosas no contexto da globalização, em: ORO, Ari Pedro/STEIL, Carlos Alberto (orgs.), Globalização e Religião, Vozes, Petrópolis 1997, 219-48.

_______, Um paradoxo do relativismo: o discurso racional da antropologia frente ao sagrado, em: Revista Religião e Sociedade, 16/1-2 (1991) 31-46.

STEIL, Carlos Alberto, Pluralismo, modernidade e tradição: transformações do campo religioso, em: Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião 3/3 (2001) 115-129.

VELHO, Gilberto, Subjetividade e sociedade: uma experiência de geração, Jorge Zahar, Rio de janeiro 1986.

VELHO, Otávio, Globalização: antropologia e religião, em: ORO, Ari Pedro/STEIL, Carlos Alberto (orgs.), Globalização e Religião, Vozes, Petrópolis 1997, 43-61.

WEBER, Max, 2002, As seitas protestantes e o espírito do capitalismo, em: ID., Ensaios de sociologia, LTC, Rio de Janeiro 2002, 212-225.

ZALUAR, Alba, Pesquisando no perigo: etnografias voluntárias e não acidentais, em: Mana 15/2 (2009) 557-584.

ZEPEDA, José de Jesus Legorreta, Secularização ou ressacralização? O debate sociológico contemporâneo sobre a teoria da secularização, em:

Revista Brasileira de Ciências Sociais 25/73 (2010) 129-141.

Publicado
2013-10-22
Como Citar
Silveira, E. J. S. da, & Rosas, N. (2013). Estudos da religião, discrepâncias metodológicas e contribuições weberianas. Impasses e tendências na modernidade globalizada. Revista Eclesiástica Brasileira, 73(292), 907-931. https://doi.org/10.29386/reb.v73i292.587