O que aprendemos literariamente com O Código da Vinci de Dan Brown ou com a Literatura?

  • Vinicius Mariano de Carvalho

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR E SILVA, Victor Manuel, Teoria da literatura, Martins Fontes, Rio

de Janeiro 1976.

BÁEZ, Fernando, História universal da destruição dos livros. Das tábuas sumérias à guerra do Iraque, Ediouro, Rio de Janeiro 2006.

BRADBURY, M. & MCFARLANE, J., Modernismo: guia geral, Companhia

das Letras, São Paulo 1989.

BROWN, Dan, O Código da Vinci, Sextante, Rio de Janeiro 2004.

CALVINO, Ítalo, Por que ler os clássicos, Companhia das Letras, São Paulo 1993.

ECO, Umberto, O nome da rosa, Record, Rio de Janeiro 1986.

______, Pós-escrito a O nome da rosa, 4ª ed., Nova Fronteira, Rio de Janeiro 1985.

GAARDER, Jostein, Vita Brevis – a carta de Flória Emília para Aurélio Agostinho, Companhia das Letras, São Paulo 1997.

OZ, Amós, Contra o fanatismo, Ediouro, Rio de Janeiro 2004.

PINSKY, J./PINSKY, C.B., Faces do fanatismo, Contexto, São Paulo 2004.

QUINTANA, Mário, Lili inventa o mundo, Mercado Aberto, Porto Alegre

RUSHDIE, Salman, Os versos satânicos, Companhia das Letras, São Paulo 1998.

RYKEN, Leland, How to Read the Bible as Literature, Zondervan, Grand Rapids 1984.

______,/LONGMAN III, Tremper (eds.), A Complete Literary Guide to the Bible, Zondervan, Grand Rapids 1993.

Publicado
2007-04-09
Como Citar
Carvalho, V. M. de. (2007). O que aprendemos literariamente com O Código da Vinci de Dan Brown ou com a Literatura?. Revista Eclesiástica Brasileira, 67(266), 461-474. https://doi.org/10.29386/reb.v67i266.1532