Bioética e início da vida. Um estudo sobre tendências paradigmáticas

  • Maria Emília de Oliveira Schpallir Silva Centro Universitário São Camilo
  • Márcio Fabri dos Anjos Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo.
  • Franklin Leopoldo e Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Bioética, Embrião humano, Multidisciplinaridade.

Resumo

O debate ético sobre o início da vida humana tem como questão básica a partir de qual momento da formação do novo ser humano se deve (dever ético) dar qual proteção. Por meio de uma análise crítica multidisciplinar, este trabalho explicita algumas tendências paradigmáticas de argumentação ética sobre a proteção à vida humana em sua fase embrionária e fetal e avalia a plausibilidade dos argumentos de cada uma delas, com o objetivo de determinar o estágio em que a vida humana deva ser (dever ético) defensável. Partindo dos diversos campos epistêmicos, biológico, filosófico, antropológico, e sociológico, faz uma reflexão sobre o status do embrião humano, respeitando a multidisciplinaridade que deve orientar o discurso bioético. A partir das três maneiras básicas de se entender o status do embrião: posição absoluta, evolutiva ou relacional, aprofunda a argumentação da posição absoluta, concluindo que a escolha da argumentação que melhor responde à questão proposta deve ser pautada pela prudência.

Abstracts:The ethical debate about the beginning of human life has the basic question which from the time of formation of the new human being should (ethical duty) which give you protection. Through a multidisciplinary critical analysis of the arguments used it explicits some paradigmatic ethical argumentation trends on the protection of human life in its embryonic and fetal stages and assesses the plausibility of the arguments of each of them in order to determine the at which stage human life should be (moral duty) protected. Based on the many epistemic, biological, philosophical, anthropological, and sociological fields, the paper thinks over the status of the human embryo, respecting the multidisciplinarity that should guide the bioethical discourse. From the three basic ways to understand the status of the embryo: absolute, evolutionary or relational position, it deepens the argument of absolute position concluding that the choice of the argument that best answers the question proposed shall be guided by prudence.

Keywords: Bioethics. Human embryo. Multidisciplinary.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Emília de Oliveira Schpallir Silva, Centro Universitário São Camilo
Médica, especialista em Coloproctologia pela SBCP, especialista em Bioética pela Faculdade Medicina USP, graduada em Teologia pela PUCCAMP, Mestre em Bioética pelo Centro Universitário São Camilo, membro da Comissão de Bioética da CNBB. – O artigo é fruto da dissertação de mestrado em Bioética, sob a orientação do Prof. Márcio Fabri e coorientador do Prof. Franklin Leopoldo e Silva.
Márcio Fabri dos Anjos, Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo.
Doutor em Teologia; Licenciado em Filosofia. Docente e pesquisador do programa de Bioética, do C. Univ. São Camilo, São Paulo; orientador de doutorado da Accademia Alfonsiana, (Pontificia Università Lateranense, Roma/Itália); membro da Câmara técnica de Bioética do CREMESP-Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo.
Franklin Leopoldo e Silva, Universidade de São Paulo

Doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo. Professor titular da Universidade de São Paulo; Docente do programa de doutorado e mestrado em Bioética, do Centro Universitário São Camilo, São Paulo.

Publicado
2014-10-19
Como Citar
Silva, M. E. de O. S., Anjos, M. F. dos, & Silva, F. L. e. (2014). Bioética e início da vida. Um estudo sobre tendências paradigmáticas. Revista Eclesiástica Brasileira, 74(293), 33-49. https://doi.org/10.29386/reb.v74i293.545