Estarei amanhã (Ero cras). Uma meditação teológica para o Advento

  • Francisco Taborda Taborda
Palavras-chave: Antífonas maiores, Tempo do Advento, Espiritualidade do Advento, Liturgia das Horas

Resumo

Síntese: Este artigo reflete teologicamente sobre as antífonas ao Magnificat próprias dos dias 17 a 23 de dezembro. São conhecidas como “antífonas maiores” ou “antífonas do Ó”, pois começam com esta exclamação. Depois da invocação ao Messias sob 18 diferentes títulos tomados do Antigo Testamento, segue-se em cada antífona uma segunda parte em que se pede a vinda do Senhor. O texto das antífonas está carregado de referências bíblicas, que se procuram destrinçar neste artigo, e constituem um convite à reflexão cristológica em preparação ao Natal. Depois de breve introdução geral de caráter descritivo, histórico e literário, o artigo analisa cada uma das antífonas, procurando explicitar sua teologia.

Palavras-chave: Antífonas maiores. Tempo do Advento. Espiritualidade do Advento. Liturgia das Horas.

Abstract: This article reflects theologically on the Magnificat antiphons specific to the days of the 17th to the 23rd of December. These are known as the “the great antiphons” or the “O antiphons” given that they begin with this exclamation. After the invocation to the Messiah by 18 different titles taken from the Old Testament, there follows the second part in which the coming of the Lord is beseeched. The text of the antiphons is richly crafted with biblical references, which this article will attempt to disentangle, that constitute a call for a Christological reflection as a preparation for Christmas. After a brief introduction of a descriptive, historic and literary character, this article analyzes each one of the antiphons seeking to explicit its theology.

Keywords: The great Antiphons. Advent Season. Spirituality of Advent. Liturgy of the Hours.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-08-09
Como Citar
Taborda, F. T. (2016). Estarei amanhã (Ero cras). Uma meditação teológica para o Advento. Revista Eclesiástica Brasileira, 76(303), 644-673. https://doi.org/10.29386/reb.v76i303.181