Corpo e sexualidade: do biológico ao virtual

Antônio Moser

Resumo


As abordagens sobre o corpo são cada vez mais numerosas e cada vez mais aprofundadas. Hoje o corpo já vem entendido como “corporeidade”, conceito mais profundo e abrangente. Da mesma forma, já se passou o tempo em que se confundia sexualidade com sexo ou simples genitalidade. Hoje se percebe a sexualidade como uma energia que se configura com dimensões múltiplas e interligadas. Estes dois passos, na compreensão da corporeidade e da sexualidade já se constituíram num grande avanço. Contudo, nem o corpo, nem a sexualidade poderão ser devidamente entendidos e vivenciados, se ignorarmos uma nova realidade que vai se impondo cada dia mais: a virtualidade. Ao mesmo tempo em que se exacerbam os direitos do corpo e da sexualidade, exacerba-se também a busca de sensações bem mais profundas e a busca exasperada de criar uma nova humanidade a partir de laboratórios. Tudo isto abre novas perspectivas, mas também levanta fundados temores no sentido de uma crescente desumanização.

Abstract: The ways of addressing the human body have been gradually increasing in number and in depth. The body is now understood as “corporeity”, a deeper and more comprehensive concept. Similarly, the time has gone when sexuality was confounded with sex or with mere genitality. We now view sexuality as an energy that is configured with multiple and interrelated dimensions. These two steps in the understanding of corporeity and sexuality have already been a major breakthrough. However, neither the body nor sexuality can be properly understood and experienced if we ignore a new reality that increasingly imposes itself: virtuality. As the rights of the body and of sexuality are exacerbated, the search for much deeper sensations and the exasperate hope to create a new humankind at the laboratory are also intensified. All this opens up new opportunities, but also raises founded fears of growing dehumanization.

Keywords: Corporeity. Sexuality. Science. Ethics. Biogenetic. Biotechnology.


Palavras-chave


Corporeidade; Sexualidade; Ciências; Ética; Biogenética; Biotecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ANATRELLA, T., El sexo olvidado, Sal Terrae, Santander 1994. AzPITARTE, L.E., Moral do amor e da sexualidade – II: Práxis cristã,

Paulinas, São Paulo 1984.

BRUCE, M., The frouth discontinuity, the co-evolution of humanas and machines, yale University Press, New Haven 1993. BRUNE, F., Le bonheur conforme, Gallimard, Paris 1985.

COHEN, D., A linguagem do corpo. O que você precisa saber, 5ª ed., Vozes Petrópolis 2012.

COMBLIN, J., Antropologia Cristã, Vozes, Petrópolis 1985.

COUTO, E.S., Corpos modificados. O saudável e o doente na cibercultura, em: LOURO, G.L./NECKEL, J.F./GOELLNER, S.V., Corpo, gênero e sexualidade, op. cit., 172-186.

DEL PRIORI, M., Corpo a corpo com a mulher – Pequena história do corpo feminino no Brasil, Senec, São Paulo 2000.

FERREIRA, J., A produção da memória biotecnológica e suas conseqüências culturais, em: Revista Brasileira de Ciências Sociais 18/53 (2003) 97-109.

FOUCAULT, M., Microfísica do poder, Graal, Rio de Janeiro 1992.

FRAGA, A.B., ( 2003), A boa forma de João e o estilo de vida de Fernanda, em: LOURO, G.L./NECKEL, J.F./GOELLNER, S.V., Corpo, gênero e sexualidade, op. cit., 95-107

GIVENS, D., A linguagem corporal no trabalho, Vozes, Petrópolis 2011.

GOELLNER, S.V., A produção cultural do corpo, em: em: LOURO, G.L./NECKEL, J.F./GOELLNER, S.V., Corpo, gênero e sexualidade, op. cit., 28-40.

GOMAN, C.K., A vantagem não verbal. Segredos e ciência da linguagem corporal no trabalho, Vozes, Petrópolis 2008.

GUIGLIELMI, A., A linguagem secreta do corpo. A comunicação não verbal, 3ª ed., Vozes, Petrópolis 1999.

GUILLEBAUD, J.-C., La tyrannie du plaisir, Du Seuil, Paris 1998.

HAKER, H., Corpo perfeito: as utopias da biomedicina, em: Concilium, n. 295 (2002/2) 8-18.

HANH, T.N., Corpo e mente em harmonia. Andando rumo à iluminação, 2ª ed., Vozes, Petrópolis 2011.

HEINEMANN, U.R., Eunucos pelo Reino de Deus – Mulheres, sexualidade e a Igreja Católica, Rosa dos Tempos, Rio de Janeiro 1998.

JUNGES, J.R., Bioética – Perspectivas e desafios, 3ª reimp., Unisinos, São Leopoldo 2005.

KERNS, J.-E., Les chrétiens, le mariage et la sexualité, Du Cerf, Paris 1996.

KREUzER, H. & MASSEy, A., Engenharia genética e biotecnologia, 2ª ed., Artmed, Porto Alegre 2002.

KÜNG, H., Projeto de Ética Mundial. Uma moral ecumênica em vista da sobrevivência humana, Paulinas, São Paulo 1992; ID., Uma ética global para a política e a economia mundiais, Vozes, Petrópolis 1999.

LA FONTAINE, C., L’empire cybernétique. Des machines à penser à la pensée machine, Seuil, Paris 2004.

LE BRETON, D., L’adieu au corps, Métaillié, Paris 1999.

LELOUP, J.y., O Corpo e seus símbolos. Uma antropologia essencial, 20ª ed., Vozes, Petrópolis 1998.

LOURO, G.L./NECKEL, J.F./GOELLNER, S.V. (orgs.), Corpo Gênero e Sexualidade. Um debate contemporâneo na educação, 7ª ed., Vozes, Petrópolis 2011.

MAMMI, L., O espírito na carne: o cristianismo e o corpo, em: NOVAES, A. (org.), O homem-máquina. A ciência manipula o corpo, Companhia das Letras, São Paulo 2003, p. 109-122.

MOSER, A., O enigma da esfinge: a sexualidade, Vozes Petrópolis 2001. ______, Biotecnologia e Bioética: para onde vamos?, Vozes, Petrópolis 2004.

______, Corpo e sexualidade: do biológico ao virtual, em: SOTER (org.), Corporeidade e teologia, SOTER/Paulinas, Belo Horizonte/São Paulo 2005, p. 142-176.

MURARO, R.M., Sexualidade da mulher brasileira – Corpo e classe social no Brasil, 3ª ed., Vozes, Petrópolis 1985.

NECKEL, J.F., Erotização dos corpos infantis, em: LOURO, G.L./NECKEL, J.F./GOELLNER, S.V., Corpo, gênero e sexualidade, op. cit., 53-65.

NOLASCO, S., O mito da masculinidade, Rocco, Rio de Janeiro 1995.

NOVAES, A. (org.), O homem-máquina. A ciência manipula o corpo, Companhia das Letras, São Paulo 2003.

PAULINO, R., Morar sozinho é uma escolha, em: Revista Época, n. 309 (2004) 16-19.

PLÉ, A., Por dever ou prazer?, Paulinas, São Paulo 1984.

POHIER, J.M., O prazer coloca um problema original para o cristianismo, em: Concilium, n. 100 (1974/10) 1317-1327.

RABUSKE, E.A., Antropologia filosófica, 7ª ed., Vozes, Petrópolis 2000. REICH, W., A revolução sexual, zahar, Rio de Janeiro1976.

ROCCHETTA, C., Per una Teologia della corporeità, Camilliane, Torino 1992.

SAyLER, S., Seu corpo fala no trabalho. Conquiste seu espaço. Crie relacionamentos. Inspire e influencie pessoas, Vozes, Petrópolis 2012.

SFEz, L., A saúde perfeita – Crítica de uma nova utopia, Loyola/Unimarco, São Paulo 1996.

SNOEK, J., Ensaio de Ética Sexual, Paulinas, São Paulo 1981.

STELARC (Stelios Arcadiou), Das estratégias psicológicas às ciberestratégias: a protética, a robótica e a existência remota, em: DOMINGUES, Diana (org.), A arte no século XIX – A humanização das tecnologias, Unesp, São Paulo 1997.

TURKLE, S., Life on the screen, identity in the age of the internet, Tochstone, New york 1997.

VASCONCELLOS, G.F., O Cabaré das crianças, Espaço e Tempo, São Paulo 1998.

WEIL, P./TOMPAKOW, R., O Corpo fala. A linguagem silenciosa da comunicação não-verbal, 70a ed., Vozes, Petrópolis 2012.

WIEGERLING, K. ( 2002/2). O corpo supérfluo – utopias das tecnologias de informação e comunicação, em: Concilium, n. 295 (2002/2) 19-30. zIMMERMANN, E. (org.), Corpo e individuação, 2ª ed., Vozes, Petrópolis 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/reb.v73i289.679

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Eclesiástica Brasileira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Instituto Teológico Franciscano
Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil