A crítica da religião no século XIX: Feuerbach, Marx, Nietzsche e Freud

Fabiano Verlig

Resumo


Neste artigo procurar-se-á contextualizar o debate sobre a religião, expondo as ideias dos principais autores que influenciaram a crítica da religião no século XIX tais como Feuerbach, Marx, Nietzsche e Freud. Procurar-se-á mostrar que esses autores têm algo em comum que a filosofia da religião posterior busca superar. Todos estes filósofos lidam de uma forma ou de outra com a questão da “morte de Deus”. Eles anunciam e confirmam esse fato. A começar com Feuerbach e culminando em Freud, Deus é banido enquanto realidade possível. Se Deus está banido, a religião que fala desse Deus deve também ser banida e outra coisa deve ser colocada em seu lugar. No entanto, não é isto o que acontece. A partir desta crítica à religião promovida no século XIX e adentrando no século XX, a chamada “morte de Deus” passa a ser entendida como “eclipse de Deus” e no lugar do vazio que sua morte deixaria, uma nova forma de pensar em Deus emerge. O presente artigo então, tem por objetivo contextualizar isso que foi chamado de “morte de Deus” e evidenciar que o que houve na realidade foi um “eclipse de Deus. Neste contexto o pensamento de Rubem Alves se mostra interessante para pensar a religião para além da crítica do século XIX. O nosso artigo tem como objetivo ajudar a entender esse movimento do século XIX sobre a religião e contextualizar o debate que Rubem Alves traz a partir da sua obra sem nos ater, no entanto em uma análise pormenorizada do pensamento alvesiano.

Abstract: In this article we will try to contextualize the debate about religion, exposing the ideas of the main authors who influenced the critique of religion in the nineteenth century such as Feuerbach, Marx, Nietzsche and Freud. It will be tried to show that these authors have something in common that the philosophy of the later religion seeks to surpass. All these philosophers deal in one way or another with the question of the “death of God.” They announce and confirm this fact. Beginning with Feuerbach and culminating in Freud, God is banished as a possible reality. If God is banished, the religion that speaks of this God must also be banished and something else must be put in its place. However, this is not what happens. The “death of God” is understood as “eclipse of God” and instead of the emptiness that his death would leave, a new way of thinking in God emerges. The purpose of this article is to contextualize what has been called the “death of God” and to show that what happened in reality was an “eclipse of God.” In this context, the thought of Rubem Alves is interesting to think religion beyond The article aims to help understand this movement of the nineteenth century on religion and contextualize the debate that Rubem Alves brings from his work without us, however in a detailed analysis of the Alvesian thought.

Keywords: Religion; Atheism; Life; Illusion.


Palavras-chave


Religião; Ateísmo; Vida; Ilusão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. O enigma da religião. 6. ed. Campinas: Papirus, 2007. 175 p.

DRAWIN, C.R. Paradoxo da finitude: sobre o sentido onto-antropológico da psicanálise freudiana. p. 34-39. Tese de doutorado não publicada. Disponível em: . Acesso em: 06 fev. 2011.

FEUERBACH, L. Preleções sobre a essência da religião. 2. ed. Campinas: Papirus, 1989. 296 p.

_______. A essência do cristianismo. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002. 454 p.

FREUD, S. Atos obsessivos e práticas religiosas. Rio de Janeiro: Imago, 1976. 281 p. (Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, 9).

_______. O futuro de uma ilusão. Rio de Janeiro: Imago, 1976. 309 p.

(Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, 21).

_______. Leonardo da Vinci e uma lembrança da sua infância. Rio de Janeiro: Imago, 1976. 252 p. (Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, 11).

_______. Um estudo autobiográfico. Rio de Janeiro: Imago, 1976. 351 p. (Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, 20).

KAUFMANN, W. Philosophy, psycologist, antichrist 4 th. Princenton: Pinceton University Press, 1974. 532 p.

MARX, K.; ENGELS, F. Introdução à crítica da filosofia do direito de Hegel. Trad. Artur Morão. Covilhã: Lusosofia Press, 2008. 23 p. . Acesso em: 17 jan. 2011.

_______. ID. Para a crítica da filosofia do direito de Hegel. 2008. Disponível em: . Acesso em 17 jan. 2011.

NIETZSCHE F. A gaia ciência. São Paulo: Martin Claret, 2004. 247 p.

_______. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Martin Claret, 2004. 254 p.

_______. O anticristo: maldição ao cristianismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 169 p.

ROCHA, Z. de J.B.; MACIEL, K.D. de Sá A. Dois discursos de Freud sobre a religião. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 8, n. 3, p. 729-754, set. 2008.

SOUZA, D.G. de. O ateísmo antropológico de Ludwig Feuerbach. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1994. 83 p.

ZILLES, U. Filosofia da Religião. 2. ed. São Paulo: Paulus, 1991. 195 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/reb.v78i310.797

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Eclesiástica Brasileira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Instituto Teológico Franciscano
Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil