A “Santa dos Impossíveis”. Rita de Cássia, história e devoção

Raquel dos Santos Sousa Lima

Resumo


Síntese: Rita de Cássia, uma das santas mais cultuadas no Brasil, é conhecida por sua especialidade como “advogada das causas impossíveis”. Sua vida, em geral, é apresentada nas narrativas biográficas como a de uma mulher que viveu sob o signo da obediência, abnegação, resignação e sofrimento em vários momentos de sua trajetória humana. Por isso, ela tem sido apresentada como exemplo a ser seguido pelas mulheres. Mas sua trajetória de vida envolve aspectos muito mais complexos que os salientados nas histórias escritas sobre ela. Neste artigo, apresento os relatos hagiográficos e as análises históricas sobre Santa Rita e sobre a propagação de sua devoção, enfatizando sua chegada à América Ibérica, em particular ao Brasil.

Palavras-chave: Santa Rita de Cássia. Hagiografia. Devoção.

Abstract: Rita of Cascia, popularly known as “the saint of the impossible causes”, is one of the most worshiped saints in Brazil. Her life is, in general, presented on biographical narratives as of a woman who lived under the sign of obedience, self-denial, resignation and suffering in many moments of her human trajectory. Because of that, she has been being presented as an example to be imitated by women. But her life is not that simple. In this article I present the hagiographic accounts and historical analyzes of Santa Rita and the spread of her devotion, emphasizing how the cult of this saint arrived in Iberian America, particularly in Brazil.

Key-words: Saint Rita of Cascia. Hagiography. Devotion.


Palavras-chave


Santa Rita de Cássia; Hagiografia; Devoção

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, J.-P. Le sang et le Ciel. Les saintes mystiques dans le monde Chrétien. Paris: Aubier, 1997.

_______. Odeurs de sainteté. La mythologie chrétienne des aromates. Paris: Eds. de l’EHESS, 1990 (réed.: 1996, 2004).

ALGRANTI, L.M. Honradas e devotas: mulheres da colônia. Condição feminina nos conventos e recolhimentos do Sudeste do Brasil, 17501822. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: Edunb, 1993.

ALONSO, C. I processi per la canonizzazione di Santa Rita da Cascia.

In: CONGRESSO INTERNAZIONALE IN OCCASIONE DEL Iº CENTENÁRIO DELLA CANONIZZAZIONE CELEBRATO A

ROMA. Studia augustiniana historica. Santa Rita da Cascia. Storia, Devozione, Sociologica. Atti Del Congresso Internazionale in occasione del Iº centenário della canonizzazione celebrato a Roma, 1998. Roma: Institutum Historicum Augustinianum, 2000, p. 269-280.

AUGRAS, M. Todos os santos são bem-vindos. Rio de Janeiro: Pallas, 2005.

BARRELY, C. Le petit livre des saints. Paris: Éditions du Chêne, 2009.

BARTHOLO, M.E.C. Que seja feita a tua vontade: um estudo sobre santidade e culto aos santos no catolicismo brasileiro. 1991. 210 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – UFRJ/Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Rio de Janeiro,1991.

BERTHOD, B.; HARDOWIN-FUGIER, E. Dictionnaire iconographique des saints. Paris: Les Editions de l’Amateur, 1999.

BOESCH-GAJANO, S. Sainteté. In: LE GOFF, J.; SCHMITT, J-C. Dictionnaire raisonné de l’occident médiéval. Paris: Fayard, 1999. p. 1023-1038.

BORGES, C. A.R.M. O ideal de santidade entre mulheres na Península

Ibérica nos séculos XVI e XVII. Sagrado Urbano. In: VI CONGRES-

SO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE HISTORIADORES DA RELIGIÃO. Anais VI Congresso da Associação Brasileira de Historiadores da Religião. Belo Horizonte: PUC, 2005. CD-ROM.

BOSA, A. Santa Rita de Cássia. Tradução de Augusto Zucco. São Paulo: Edição da Pia Sociedade de São Paulo, 1936.

BROWN, P. The cult of the saints. Chicago: University of Chicago Press, 1982.

BURTON, R.D.E. Fast, bleeding, seeing: ‘extraordinary phenomena’ in France, c.1870-c.1950. In: ID. Holy tears, holy blood. Women, catholicism and the culture of suffering in France, 1840-1970. Ithaca, London:

Cornell University, 2004. p. 106-147.

BUTLER, A. A vida dos santos de Butler. Trad. de Hamilton Francischetti. Petrópolis: Vozes, 1987, v. 3.

BYNUM, C.W. Fast, feast and flesh: the religious significance of food to medieval women. Representations, n. 11, p. 1-25, 1985.

CARVALHO, O.J. Templos católicos do Rio de Janeiro – Manual. Petrópolis: Vozes, 2009.

CASAGRANDE, C. A mulher sob custódia. In: DUBY, G.; PERROT, M. História das mulheres no Ocidente. A Idade Média. Tradução de Ana L. Ramalho, Egipto Gonçalves, Francisco G. Barba, José S. Ribeirto, Katharina Rzepka e Teresa Joaquim. Porto: Afrontamento, 1990, v. 2.

CASCUDO, L.C. Dicionário do folclore brasileiro. 5. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984, v. 4. (Clássicos Cultura Brasileira).

CAVALLUCCI DA FOLIGNO, A. Vita della Beata Rita da Cascia dell´Ordine di S. Agostino 1610. In: TRAPP, D. Documentazione ritiana antica. Cascia: Monastero di Santa Rita, 1968, v. I.

CERTEAU, Michel de. Uma variante: a edificação hagiográfica. In: ID. A escrita da História. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

CUCCINI, G. Iconografia ritiana antica. In: CONGRESSO... Op. cit., p. 169-186.

CUOMO, F. Simbologia di Santa Rita (api, rose, conversione del marito). In: CONGRESSO... Op. cit., 2000a, p. 219-231.

_______. Rita de Cássia – A Santa dos casos impossíveis. Tradução de Jairo Veloso Vargas. São Paulo: Paulinas, 2000b (Coleção Luz do Mundo).

DALARUN, J. Olhares de Clérigos. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle. História das mulheres no Ocidente. A Idade Média. Tradução de Ana L. Ramalho, Egipto Gonçalves, Francisco G. Barba, José S. Ribeirto, Katharina Rzepka e Teresa Joaquim. Porto: Afrontamento, 1990, v. 2, p. 29-64.

FERGUSON, G. Signs & symbols in christian art. New York: Oxford University Press, 1981.

FREYRE, G. Casa Grande & Senzala. 34. ed. Rio de Janeiro: Record, 1998.

GAVIGAN, J. Los Agustinos desde la revolución francesa hasta los tiempos modernos. Historia de la Orden de San Agustin. Roma: Institutum Historicum Ordinis Fratrum S. Augustini, 1999. v. 4.

GEARY, P. Sacred commodities: the circulation of medieval relics. In: APPADURAI, A. The social life of things. Commodities in cultural perspective. Cambridge: Cambridge University Press, 1990, p. 169-191.

GIACALONE, F. Il corpo e la roccia. Storia e simboli nel culto di Santa Rita. Roma: Meltemi, 1996.

GIORGIO, M. O modelo católico. In: FRAISSE, G; PERROT, M. História das mulheres no Ocidente. O século XIX. Tradução de Cláudia Gonçalves e Egito Gonçalves. Porto: Afrontamento, 1991. v. 4.

GIULIANI, P.L. La fiesta della speranza. Con Santa Rita verso il 2000. Cascia: Monastero Agostiniano di Santa Rita, 1998.

GOMES, L.A. Entre famílias, lugares, objetos: uma etnografia da santidade de Padre Libério. 2011. 134 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – UFRJ/PPGAS, Rio de Janeiro, 2011.

GOODICH, M. The politics of canonization in the thirteenth century: lay and mendicant saints. In: WILSON, Stephen E. Saints and their cults: studies in religious sociology, folkore and history. Cambridge, Londres, Nova York: Cambridge University Press, 1985, p. 169-187.

GUÉRIN, P. Les petits Bollandistes: vies des saints d’après les Bollandistes, le père Giry, Surius. Bar-le-Duc: typographie des célestins; Paris: Bloud et Barral, 1876, 7è edition. t. 6, du 19 mai au 13 juin. Disponível em: . Acesso em maio de 2006.

GUIMARÃES, A. O livro dos santos. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.

GUTIÉRREZ, D. Los Agustinos desde el protestantismo hasta la restauración católica 1518-1648. Historia de la Orden de San Agustin. Roma: Institutum Historicum Ordinis Fratrum S. Augustini, 1971, v. 2.

JOLLES, André. A Legenda. In: ID. Formas Simples. São Paulo: Cultrix, 1976, p. 30-59.

LACOSTE, Jean-Yves. Dicionário crítico de Teologia. São Paulo: Paulinas, Loyola, 2004.

LEHMANN, J.B. Na luz Perpétua. Leituras da vida dos santos de Deus, para todos os dias do ano, apresentados ao povo cristão. 5. ed. Juiz de Fora: Lar Católico,1959, v. 1.

LIMA, Raquel dos Santos Sousa. “É como se fosse Santa Rita”: processos de simbolização e transformações rituais na devoção à Santa dos impossíveis. Rio de Janeiro: Tese de Doutorado em Antropologia Social, PPGAS/MN/UFRJ, 2014.

______. Ela é um modelo de esposa: representações viçosenses sobre a vida conjugal de Santa Rita”. Rever – Revista de Estudos de Religião. Programa de Estudos de Pós-graduados em Ciências da Religião – PUC-SP, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 125-138, jan./jun. 2011.

______. “Oh! Que imitem a Santa Rita de Cássia!” As mulheres de nosso tempo: representações e práticas da devoção em Viçosa (MG). 2006. 160 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Departamento de História, UFF, Niterói, 2006.

MARCHI, L. Santa Rita de Cássia. A santa dos casos impossíveis e desesperados. 4 ed. São Paulo: Paulinas, 1955.

MARIANESCHI, P. Ipotesi mediche sulle stigmatizzazioni e sulla spina di santa Rita da Cascia. In: CONGRESSO... Op. cit., p. 359-376.

MARINOZZI, G. Ricognizione dei resti del corpo di Santa Rita da Cascia. In: CONGRESSO... Op. cit., p. 395-401.

MENEZES, R. de C. A dinâmica do sagrado: rituais, sociabilidade e santidade num convento do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará, Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ, 2004.

ODDICINO, D. Umanesimo e santità nella spiritualità di Santa Rita da Cascia. In: CONGRESSO... Op. cit., p. 81-89.

OLIVEIRA, S.G. Três “santas do povo”: um estudo antropológico sobre santificações populares em Minas Gerais. Juiz de Fora, 2008. Tese (Doutorado em Ciência da Religião) – PPCIR/UFJF, Juiz de Fora, 2008.

RIESCO, Gabriel. Vidas ejemplares de la Cristianidad. Santa Rita de Cássia. Buenos Aires: Editorial Poblet, 1946.

ROSOLI, G. La devozione a Santa Rita nei paesi europei e oltreoceano. Primi resultati di una ricerca. In: CONGRESSO... Op. cit., p. 305-328.

SÁIZ, A.I. La iconografia de Santa Rita em España e Hispanoamérica. In: CONGRESSO... Op. cit., p. 329-335.

SCARAFFIA, L. La santa degli impossibili. Vicende e significati della devozione a Santa Rita. Torino: Rosenberg & Sellier, 1990.

SCHMITT, J.-C. O corpo das imagens. Ensaio sobre a cultura visual na Idade Média. Tradução de José Rivair Macedo. Bauru: EDUSC, 2007.

SILVA, I.de A. van den Berg. As Covinhas: práticas, conflitos e mudanças em um santuário popular. 2010. 241 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, Natal, 2010.

TAVARES, J.C. Dicionários de santos. Hagiológico, Iconográfico. 2. ed. Porto: Lello e Irmãos Editores, 1990.

TEIXEIRA, I.S. Hagiografia e processo de canonização: a construção do tempo da santidade de Tomás de Aquino (1274-1323). 2011. 187 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História – UFRGS, Porto Alegre, 2011.

VAUCHEZ, A. A espiritualidade na Idade Média Ocidental: séculos VIII a XIII. Tradução de Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: J. Zahar Editor, 1995.

_______. Santidade. In: Enciclopédia Einaudi. Lisboa/O Porto: Casa da Moeda-Imprensa Nacional, 1987, v. 12 [Mythos/Logos; Sagrado; Profano], p. 287-300.

VIEIRA, J.; ROSARIO, D. Flos sanctorum ou historia das vidas de Christo e sua santíssima Mãe e dos Santos e suas festas. Festas e santos do mez de maio. Lisboa: Typografia Universal, 1870, v. 5.

WILSON, S.E. Introduction. In: ID. Saints and their cults: studies in religious sociology, folkore and history. Cambridge, Londres, Nova York: Cambridge University Press, 1985, p. 1-45.

ZOVATTO, P. Santa Rita da Cascia nei libretti devoti e nel santino. In: CONGRESSO... Op. cit., p. 233-268.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/reb.v75i299.297

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Eclesiástica Brasileira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Instituto Teológico Franciscano
Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil