Visão social da figura de Maria. Uma síntese

Clodovis Boff

Resumo


Frei Clodovis Boff, da Ordem dos Servos de Maria, apresenta aqui uma síntese de “Mariologia Social”, disciplina que leciona em Roma desde 1993. Sem negar o valor das tradicionais “imagens” de Maria, de tipo pessoal ou de tipo comunitário, ele põe em evidência a visão sociolibertadora da Mãe do Senhor. Maria é uma figura que pertence à grande história, e sua dimensão social encontra fundamentação segura na Bíblia, na história e no Magistério da Igreja. Depois de desenvolver em grandes traços esses pontos, o autor recomenda que se difunda e aprofunde sempre mais a dimensão social e libertadora da devoção mariana, tarefa que se faz ainda mais urgente quando se leva a sério o desafio dos excluídos e se ouve o seu clamor por libertação. “Os pobres mais do que nunca – diz ele – precisam de Maria. Ela é seu tesouro”.

Abstract: Frei Clodovis Boff, from the Order of Mary’s Serfs, presents here a synthesis of “Social Mariology”, the discipline he teaches in Rome since 1993. Without denying the importance of Mary’s traditional “images” – either of the personal or of the community types – he brings to the fore the social-liberating view of the Lord’s Mother. Mary is a figure belonging to History, and her social dimension is firmly established in the Bible, in History itself and in the Magisterium of the Church. Having provided a general overview of these arguments, the author recommends that the social and liberating dimension of the Marian devotion should be propagated and emphasized. In his view, this is a particularly urgent task if one takes to heart the challenge of helping the excluded and if their clamour for liberation is truly heard. “Morethanever” – he says – “the poor need Mary. She is their treasure”.


Palavras-chave


Maria; MAriologia Social.

Texto completo:

PDF

Referências


AA.VV., Nuestra Señora de América. Col. CELAM 102, Bogotá 1988, 21.

ALLENDE, J., María en una Iglesia popular y misionera, em: AA.VV., María en la pastoral popular, Paulinas, Bogotá 1976, 59-87.

BOFF, Cl., Maria na cultura brasileira – Aparecida, Iemanjá e N. Sra. da Libertação, Vozes, Petrópolis 1995.

IDEM, Mariologia sociale, Marianum, Roma 2001 (apostila – esgotada).

BOFF, L., O rosto materno de Deus, Vozes, Petrópolis 1979, cap. XII: Maria, mulher profética e libertadora, 196-211.

CAMPANHA, J.A., Maria na América Latina antes e depois do Vaticano II,

Seraphicum, Roma 1999 (tese de doutorado) (v. bibliografia).

GALILEA, S., Maria e a libertação, em: S. DEFLORES –S. MEO (dir.), Dicionário de Mariologia, Paulus, São Paulo 1995, 721-5.

GONZÁLEZ DORADO, A., Mariologia popular latino-americana: de Maria conquistadora a Maria libertadora, Loyola, São Paulo 1992.

HAMMEL, É., Justiça na visão do Magnificat, em: R. LATOURELLE – R. FISICHELLA (dir.), Dicionário de Teologia Fundamental, Vozes/Santuário, Petrópolis/Aparecida 1994, 538-540.

IOGNA-PRAT, D. – PALAZZO, É. – RUSSO, D. (orgs.), Marie: le culte de la Vierge dans la société médiévale, Bauchesne, Paris 1996.

PIKAZA, X., María liberadora: transfondo evangélico y novedad mariana del Magnificat, em: Ephemerides Mariologicae 38 (1988) 295-334.

ROEKELEIN, E. – OPITZ, C. – SIGNORI, G. – MARCHAL, G.P., Marie in der Welt. Marienverehrung im Kontext der Sozialgeschichte 10-18. Jahrhundert, Chronos, Zurique 1993.

SCHREINER, K., María: virgen, madre, reina, Herder, Barcelona 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.29386/reb.v63i250.1799

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Eclesiástica Brasileira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Instituto Teológico Franciscano
Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil